5815 empresas cadastradas na região da Rua 25 de Março e adjacências
São Paulo, 12 de novembro de 2019 - 
Vitrine 25 de Março - O guia oficial virtual da Rua 25 de Março e Adjacências
FATURE SP Federação das Entidades do Turismo de Compras e Negócios do Estado de São Paulo
Abrasivos
Acessórios
Adesivos
Agências de Turismo
Alarmes e Câmeras
Alfaiates / Costureiras
Alimentos
Antenas
Antiquários
Arames e Molas
Armarinhos
Artesanato
Artigos de Couro
Artigos para Festas
Artigos para Presentes
Artigos Religiosos
Assistência Técnica
Audio e Vídeo
Automação
Aviamentos
Bancos e Câmbio
Bebidas
Bijouterias e Jóias
Bolsas, Malas e Mochilas
Bombas / Hidráulica
Bonés
Bordado, Silk e Transfer
Botões / Zíperes
Brindes
Brinquedos
Cabelos e Perucas
Cabos
Calçados
Calhas / Coifas
Cama, Mesa e Banho
Cameras Digitais
Camisaria
Carnaval
Cartuchos
Casa e Decoração
Casamentos
Câmbio
CDs e DVDs
Celulares
Chaveiros
Cintos e acessórios
Climatizadores
Componentes Eletrônicos
Confecções
Controle Remoto
Cortinas e Tapetes
Couro e acessórios
Dados de Letras
Eletro-eletrônicos
Eletrônica e Acessórios
Elétrica
Embalagens
Enxovais
Esoterismo
Esporte / Fitness
Estacionamentos
Expositores e Manequins
Fantasias
Farmácias
Ferragens
Ferramentas
Fontes / Transformadores
Fraldas e Cia.
Games
Gráficas / Gravações
Guarda-chuvas e Cia.
Higiene e Beleza
Hotéis
Iluminação
Imóveis
Informática
Instalações Comerciais
Instrumentos Musicais
Lembrancinhas
Livrarias
Lojas de 1,99
Madeiras
Materiais Elétricos
Materiais p/ Construção
Material Escolar
Máquinas de Costura
Medição e Automatização
Mercado Municipal
Miniaturas
Moda Evangélica
Moda Feminina
Moda Gestante
Moda Infantil
Moda Internacional
Moda Íntima
Moda Jeans
Moda Jovem
Moda Masculina
Moda Praia
Moda Tamanhos Grandes
Moda Tricot
Móveis
Noivas
Notebooks e Palms
Óticas
Ônibus / Excursões
Papelarias
Peças e Montagem
Perfumes e Cosméticos
Petshop
Portáteis
Puericultura
Redes
Restaurantes
Sacarias
Segurança
Serviços
Sexshop
Shoppings e Galerias
Som Automotivo
Tecidos
Telefonia
Transfer e Cia
Transportadoras
Uniformes
Utensílios Domésticos
Ventiladores e Exaustores
Viagens e Turismo
Zona Cerealista
Mundo Pet

>> Índice  >> Download  >> Perguntas e Respostas

Equipe do Vitrine 25
A equipe do Vitrine 25 de Março procurando sempre novidades traz pra vocês artigos diversos.

01/05/2007 18:57hs

O estudo de comportamento animal na Homeopatia

O estudo de comportamento animal na Homeopatia

Há algum tempo venho me perguntando porque não se estuda comportamento animal em um curso de homeopatia. Será que isso é relevante diante das mais sérias patologias, daquelas lesões de pele maravilhosas, daquele sintoma raro, estranho e peculiar que nos remete, quase que imediatamente, àquele medicamento dito como "de fundo". Será que isso basta? Eu particularmente acho que não.
O Bem- Estar dos animais está intimamente relacionado ao conhecimento do comportamento de matilha, o que infelizmente não nos é ensinado em lugar algum. Acredito que seja responsabilidade do veterinário ter este conhecimento para poder transmiti-lo aos proprietários e orientá-los durante todo o desenvolvimento do animal.

Sem este conhecimento como podemos explicar o comportamento de um macho, da espécie canina, que levanta a pata para urinar? Por que ele levanta a pata? Por que escolhe locais específicos? Por que ele urina aos poucos? Qual a função disso? Será que isso é sintoma?

Quando nós, profissionais desta área, compreendermos que este mecanismo é desencadeado por um estímulo sinalizador como o odor de urina deixado por outro animal (estímulo ambiental) ou pela distensão da bexiga. Que este comportamento aparece quando o animal atinge a maturidade sexual e observa os outros cães levantarem a pata para urinar. Que a função deste ato é a de demarcar o território e que a comunicação está por trás de tudo isso e é o fator mais importante. Fica fácil entendermos que a urina ali, naquele cantinho do sofá, quer dizer que "este espaço já tem dono!". Que isto é um padrão de comunicação dentro da espécie e que não podemos, de forma alguma, considerar como um sintoma ou um problema. Os proprietários não gostam e não entendem este mecanismo quando ele acontece em algum local inadequado para nós humanos, só aceitam quando ocorre em alguma árvore durante um passeio, por exemplo.

Porém, se nós tivermos conhecimento do comportamento, de como estes animais vivem em matilha, o que quer dizer "viver em matilha" e o que é ser dominante, podemos então, ir mais adiante...

Quando um cachorro é mimado, tem tudo do bom e do melhor, faz o que quer dentro de casa, manda e desmanda no dono, existe uma probabilidade altíssima dele começar a marcar território. Com isso ele quer dizer que é o líder, que ele manda e que este território é dele! Como inibir este comportamento? Sendo você (proprietário) o líder desta matilha!

Agora vamos para um outro comportamento que envolve o ato de urinar.
O proprietário ao chegar em casa é recepcionado pelo cachorro, que faz a maior festa, urina e vira de barriga para cima: "Toda vez que eu chego em casa, ela urina por todo canto fazendo festa, é sempre assim".
Podemos pensar numa cistite, em alguma falta de controle do esfíncter ou algo do gênero se formos leigos em comportamento. Por isso, é imprescindível o conhecimento prévio da vida em matilha como um todo. As nossas atitudes devem ser diferentes para cada caso. Neste último, o animal está urinando por submissão e não por dominância. Deve ser tratado com muito carinho e deve ser incentivado através de algumas técnicas, que não vem ao caso neste artigo, a ter mais confiança em si mesmo. A pior maneira de lidar com o problema é gritar com este cão ou dar uma surra nele. Se alguma vez ele fizer algo errado, a bronca não precisa ser uma BRONCA, mas uma bronquinha.
O ato de urinar por medo passa a ser um sinalizador e quer dizer o oposto da 1ª situação. Ele já está mostrando sinais de submissão e, se você gritar, isso significará que a mensagem que ele transmitiu ainda não está clara. Isso o levará a urinar mais ainda ou a sair correndo...

Será que todos os veterinários estão aptos a diferenciar estas duas situações? Será que entender porque estes comportamentos ocorrem não é necessário mesmo para se clinicar? Quanto tempo o país ainda vai levar para dar valor ao comportamento? Infelizmente falta vontade e entendimento do quanto isso é importante para o Bem- Estar de todos nós!

O Bem- Estar dos cães está intimamente relacionado ao conhecimento do comportamento de matilha, o que infelizmente não nos é ensinado em lugar algum. Acredito que seja responsabilidade do veterinário ter este conhecimento para poder transmiti-lo aos proprietários e orientá-los durante todo o desenvolvimento do animal.

Sem este conhecimento quanto tempo se perde tentando de todas as maneira achar o medicamento mais apropriado para o Totó, que resolveu de uma hora para outra ter vontade própria e morder o seu amado dono quando ele tenta dormir na sua própria cama. Quantas receitas ainda serão feitas de Lyc para alguns destes casos e de quanto será o nosso acerto? Sempre me pergunto se a homeopatia é mesma soberana. Será que o medicamento sozinho vai segurar este tipo de agressividade quando todas as atitudes que o dono é a de demonstrar que o cão é o líder da matilha? Será que só o medicamento adianta quando o dono deixa este animal fazer o que quer? Os cães em particular são mestres no que diz respeito fazer leitura corporal, sabem com antecedência se com a nossa chegada vem um afago ou uma bronca. Ele não sabe que fez coisa errada como todos dizem. Não são capazes de correlacionar as atitudes como nós, mas são hábeis como ninguém nessa leitura.

É interessante ter o conhecimento de que existem vários tipos de agressividade e de que elas podem requerer manejos e tratamentos totalmente diferentes. Sem o conhecimento prévio do comportamento normal para a espécie em questão a consulta se perde em devaneios. Ele é agressivo e ponto. Como então medicar? É agressivo porque o dono é um banana ou porque quando faz algo errado você lhe dá um tapa. Será que num caso de agressividade por medo o animal está realmente errado? Lógico que não, a não ser que ele demonstre agressividade por medo de situações ridículas. Aí sim, entra o nosso tratamento, a nossa busca pelo simillimum, a nossa vontade de prescrever com bom senso.

Um animal hiperativo, que vive confinado num apartamento e que passa o dia inteiro sozinho precisa de medicação ou de atividade física, de conTATO com o mundo lá fora?

Eu levei muito tempo correndo atrás de algumas destas respostas e delas surgiram várias outras... A minha vida profissional mudou quando entrei neste universo tão rico e tão simples. Quando aprendemos a nos comunicar com a espécie que estamos nos dispondo a tratar tudo é mais fácil e muito mais gostoso. Além dos resultados serem muito melhores.

Eu espero que se tenha vontade de modificar isso e que se entenda do quanto este conhecimento é necessário para se clinicar. Assim quem sabe, em breve, o Brasil consiga chegar próximo aos outros países no que diz respeito ao Bem –Estar de todos os envolvidos.

Dra. Fernanda Pecoraro
Homeopatia, Creche e Recreação para cães (day care), Orientações comportamentais.
fepecoraro@uol.com.br
R. Campos do Jordão, 47   CEP 05516-040
F: 3722-4636

>> Índice  >> Download  >> Perguntas e Respostas

Veja também...
Voce ama animais? Povo Gato Pede Ajuda por Equipe do Vitrine 25
Feliz Natal por Claudia Porto
Halloween Pets por Equipe do Vitrine 25
Brasileiros levam mais cães e gatos de estimação ao exterior por Equipe do Vitrine 25
Nascimento e desenvolvimento de um pandinha por Equipe do Vitrine 25
Doenças Infecciosas nos Gatos por Claudia Porto
Série Doenças: Alergias por Claudia Porto
Proteja o Seu animal dos Fogos de Artifício por Claudia Porto
Salvando Filhotes Recém Nascidos por Claudia Porto
Febre Maculosa: Uma doença que pode levar humanos e animais à morte. por Claudia Porto